Tendências Comentários

Investigados na Operação Atlântida, do Gaeco, são condenados a mais de 270 anos

Dezembro 20 / 2017

Tráfico de drogas no interior era coordenado pelo grupo

Doze pessoas foram condenadas por crimes ligados ao tráfico de drogas e cometidos nas cidades paulistas de Ribeirão Preto e Sertãozinho. Todos foram investigados no âmbito da Operação Atlântida, deflagrada em setembro de 2015 pelo Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) do MPSP. Um dos condenados é M.F.C, conhecido como "Tio Patinhas" e "Bicudo". Sentenciado a mais de 33 anos de prisão por integrar organização criminosa, associação ao tráfico e duas vezes por tráfico de drogas, bem como à perda dos bens amealhados com seus crimes, ele era uma das lideranças da facção criminosa responsável pela distribuição e coordenação do tráfico em todo o interior do Estado de São Paulo. Suspeitava-se que levasse vida de luxo.

As investigações demonstraram que M.C.F. tinha posição de comando dentro da facção criminosa conhecida por controlar presídios e comunidades, bem como liderava, na região, grupo de traficantes de drogas que operavam trazendo do Mato Grosso do Sul grandes quantidades de drogas para revenda regional. Durante as diligências, foram realizadas diversas apreensões de drogas, somando mais de 450 quilos. Em uma ocasião, foram apreendidos 280 quilos escondidos em veículo que regressava de outro Estado, próximo a Barretos. Houve ainda a apreensão de 80 quilos dentro de uma casa utilizada para estocar drogas.

O Gaeco localizou também imóveis, veículos de alto valor em poder de M.C.F., além de lancha e moto-aquática em marina na cidade de Rifaina. O investigado utilizava empresa de fachada para justificar seu patrimônio.

Durante o cumprimento dos mandados de busca judiciais, foram apreendidas drogas, armas de fogo, munições, documentos de controle do tráfico e mais de R$ 40 mil em dinheiro e relógios de luxo.

A Justiça determinou o bloqueio dos bens de M.C.F., de familiares e de "laranjas", somando mais de R$ 1,5 milhão.

Além de M.C.F., foram condenadas 11 pessoas por crimes de associação ao tráfico e tráficos de drogas em condenações que variam de quatro a 27 anos de prisão. As penas somadas ultrapassam 270 anos de prisão. A sentença determinou a perda dos bens apreendidos e bloqueados dos condenados.

Os comentários estão desativados para esta matéria.